saf.jpg
setabranca.png

Síndrome do Anticorpo Fosfolipídeo (SAF)

Exame tem como objetivo prevenir a formação de trombos e evitar complicações na gravidez.

Orientações de Coleta

  • Os atendimentos são por ordem de chegada, não é necessário agendamento prévio;

  • OBRIGATÓRIO DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO COM FOTO;

  • Não necessita de jejum;

  • Não necessita de requisição médica;

  • Prazo de entrega: 6 dias úteis.

 

Exames analisados:

  • Anticoagulante lúpico (AL);

  • Anticardiolipina;

  • Anti beta2-glicoproteína 1.

O que é?

A SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLIPÍDEO (SAF) é desordem sistêmica, autoimune, caracterizada por trombose arterial e/ou venosa, morte fetal e abortos espontâneos recorrentes, e trombocitopenia, acompanhada de títulos elevados de anticorpos antifosfolípide. A síndrome antifosfolípide foi descrita originariamente em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico, e nos últimos 20 anos tem sido descrito envolvimento de muitos órgãos.

O diagnóstico da SAF requer a associação de, pelo menos, um critério clínico e um critério laboratorial comprovado por exames feitos em duas ocasiões distintas, com um intervalo de mais de três meses e menos de cinco anos. A ligação dos anticorpos antifosfolípide aos fosfolipideos de membrana se dá através da ligação com a beta-2-glicoproteína I. Após essa ligação, ocorre ativação endotelial, de monócitos e plaquetas, levando a um estado pró-coagulante e pró-inflamatório e à ativação do complemento, o que gera trombose e interfere com o trofoblasto e com as células deciduais.

De acordo com a causa, a SAF pode ser classificada em três tipos principais:

  • Primária: em que não há causa específica;

  • Secundária: que acontece como consequência de outra doença, sendo normalmente relacionada com o Lúpus Eritematoso Sistêmico. A SAF secundária também pode acontecer, apesar de ser mais raro, associada a outras doenças autoimunes, como esclerodermia e artrite reumatoide, por exemplo;

  • Catastrófica: que é o tipo mais grave de SAF no qual há formação de trombos em pelo menos 3 locais diferentes em menos de 1 semana.

A SAF pode acontecer em qualquer idade e em ambos os sexos, no entanto é mais frequente em mulheres entre os 20 e 50 anos. O tratamento deve ser estabelecido pelo clínico geral ou reumatologista e tem como objetivo prevenir a formação de trombos e evitar complicações, principalmente quando a mulher está grávida.

Ativo 1.png