google-site-verification=LxRpDNdt8T5Xn7XzNuU23Jc7rVl-3kQcq2yw2r4zSVM
chlamydia.jpg

Exame de PCR para Clamídia (Chlamydia)

Descubra para que serve o exame e um pouco mais sobre a doença.

Instruções de Coleta

•    Os atendimentos são por ordem de chegada, não é necessário agendamento prévio;
•    OBRIGATÓRIO DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO COM FOTO;
•    Não necessita de requisição médica;
•    Não necessita de jejum;

•    Prazo de entrega: de 4 a 7 dias úteis;
•    Ver orientações de coleta descritas na seção de Perguntas Frequentes.

O que é?

O Exame PCR (Reação em Cadeia de Polimerase) para clamídia é um teste genético, ele é útil porque o agente infeccioso cresce exclusivamente dentro das células do portador. A sensibilidade dos testes de DNA é em torno de 20% maior do que a da cultura do material genital.

 

Os benefícios são a sensibilidade do teste aumentada e a possibilidade de se utilizar urina para a detecção de DNA da clamídia, o que simplifica a coleta. Os testes de biologia molecular são os testes de escolha para o diagnóstico de infecção por Chlamydia trachomatis, pois estes exames são mais sensíveis e específicos para detecção da doença que os testes realizados por coleta de sangue.

 

O PCR oferece a vantagem de um exame automatizado que possui controles internos, que tornam os resultados altamente confiáveis. O exame de PCR para clamídia pode ser realizado em amostra de urina ou através de coleta de secreção vaginal, uretral e esperma.
 

Perguntas frequentes

Como a clamídia é transmitida?


A clamídia é transmitida por meio do contato sexual (anal, oral ou vaginal) ou pela forma congênita (infecção passada de mãe para o bebê durante a gestação). A clamídia não é transmitida por meio de transfusão sanguínea. Porém, se a pessoa infectada deseja doar sangue, deve informar ao profissional de saúde a presença da infecção.




Quais são os sintomas da clamídia?


A maioria dos casos da clamídia não apresenta sintomas (em torno de 70% a 80% das situações). Quando presentes, os sintomas mais comuns nas mulheres são:

  • Corrimento amarelado ou claro
  • Sangramento espontâneo ou durante as relações sexuais
  • Dor ao urinar e/ou durante as relações sexuais e/ou no baixo ventro (pé da barriga)

Nos homens, os sintomas mais comuns da clamídia são:

  • Ardência ao urinar
  • Corrimento uretral com a presença de pus
  • Dor nos testículos




Quais as implicações para a Clamídia na gravidez?


A clamídia na gravidez pode provocar diversas complicações durante e depois da gestação, tais como:

  • Gravidez tubária (que ocorre nas trompas)
  • Aborto espontâneo
  • Inflamação da camada interna do útero (endometrite)
  • Parto precoce (com risco de parto antes das 37 semanas de gravidez)
  • Infecção pós-parto (se a clamídia for contraída durante a gestação)

IMPORTANTE: Além da possibilidade de transmissão da infecção durante o parto vaginal, a criança infectada pode nascer com conjuntivite neonatal. Esta, quando não tratada adequadamente, pode levar à cegueira.




Quais são as complicações da clamídia?


Quando não tratada, a clamídia pode provocar algumas complicações, como:

  • Infertilidade (dificuldade para ter filhos)
  • Dor crônica na região pélvica (“pé da barriga”)
  • Dor durante as relações sexuais
  • Gravidez tubária (quando ocorre nas trompas)
  • Complicações na gestação

IMPORTANTE: Algumas doenças, inclusive a clamídia, podem ter seu quadro agravado em pessoas com imunidade baixa.




Como realizar a coleta para o exame de Clamídia?


O exame de PCR para clamídia pode ser realizado em amostra de urina ou através de coleta de secreção vaginal, uretral e esperma.

Coleta de Urina:

  • Fazer higiene íntima com água e sabão
  • Coletar em frasco estéril o primeiro jato da urina,
  • O ideal é se possível, reter a urina por no mínimo duas horas antes de realizar a coleta da urina.

Coleta de secreção vaginal:

  • Fazer higiene íntima com água e sabão
  • Não urinar até o momento da coleta após a higiene
  • Não estar em uso de pomadas ou cremes íntimos até 3 dias antes da coleta
  • Não estar em período menstrual
  • Não ter relação sexual 24hrs antes da coleta

Coleta de secreção uretral:

  • Fazer higiene íntima com água e sabão
  • Não urinar até o momento da coleta após a higiene
  • Não estar em uso de pomadas ou cremes íntimos até 3 dias antes da coleta
  • Não ter relação sexual 24hrs antes da coleta

Coleta de esperma:

  • Fazer higiene íntima com água e sabão
  • Coleta por masturbação
  • Coleta feita em frasco estéril
  • Coletar todo o material dentro do frasco estéril




Qual o tratamento para clamídia?


O tratamento da clamídia é feito com o uso de antibióticos, como por exemplo azitromicina ou doxiciclina, receitados pelo médico conforme cada caso. Com o tratamento adequado é possível erradicar completamente a bactéria.

No caso das gestantes com clamídia, o tratamento com antibiótico adequado será indicado pela equipe de saúde conforme cada caso. Desta forma, a gestante deve fazer o acompanhamento pré-natal regular, com a realização dos exames prescritos. A clamídia, se não tratada adequadamente, aumenta os riscos de contaminação e transmissão do HIV.

IMPORTANTE: Qualquer sintoma necessita ser relatado aos profissionais para avaliação diagnóstica precisa. As parcerias sexuais, mesmo sem sinais e sintomas, devem ser tratadas. Em situações específicas, serão indicados exames para pacientes sem sintomas. Tanto o diagnóstico quanto o tratamento são ofertados, de forma integral e gratuita, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).




Clamídia tem cura?


Sim, a clamídia pode ser facilmente curada com o uso de antibióticos. No entanto, para garantir a cura total, durante o período da infecção é aconselhado evitar contato sexual desprotegido. As parcerias sexuais também devem ser avaliadas e orientadas pelo profissional de saúde para evitar nova contaminação.




O que é a Clamídia?


Clamídia é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), que na maioria das vezes causa infecção nos órgãos genitais, mas pode afetar também a garganta e os olhos. Pode afetar homens e mulheres com vida sexual ativa. Não existem dados epidemiológicos no Brasil sobre a clamídia, porque não é uma doença de notificação obrigatória. Mas, dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC/2017) mostram que a maioria dos casos acontece em pessoas na faixa etária entre 15 e 24 anos. IMPORTANTE: Manter relações sexuais sem o uso do preservativo (masculino e feminino) é o principal fator de risco para contaminação por clamídia.